Tag: crescimento

19 mar por João Ricardo Correia Tags:, , , ,

São Gonçalo fica em segundo no ranking de empregos do RN em fevereiro

Segundo o levantamento do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – CAGED o mês de fevereiro/2014 foi de boa notícia para o Rio Grande do Norte sob o ponto de vista de novos empregados formais. O crescimento nos postos de trabalho foi de 0,21% em relação ao mês anterior. No balanço de fevereiro o município de São Gonçalo do Amarante desponta como o segundo município do Estado que mais contribuiu para o índice de crescimento, contabilizando a criação de 467 novos empregos formais, ficando atrás apenas de Natal. De acordo com a análise da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, só nos primeiros dois meses de 2014, São Gonçalo já conseguiu elevar em 54% as vagas de trabalho em relação ao mesmo período de 2013. Os números foram comemorados pelo secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Klênio Alves. “Essa é a prova de todo o investimento que o poder público do município está realizando. A decisão do prefeito Jaime Calado de abrir a Central de Encaminhamento de Cursos e Emprego (CIESGA) e o Espaço do Empreendedor está sendo fundamental para impulsionar o crescimento da economia local”, enfatizou.   Fonte: http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C816A43DF98FC0144D01511EC72F4/RN%20fevereiro%2014.pdf
18 set por Henrique Goes Tags:, , , ,

MEC aponta crescimento na EAD maior que no modo presencial nos últimos dois anos

A educação a distância (EAD) cresceu mais que a educação presencial de 2011 a 2012. Em um ano, houve um aumento de 12,2% nas matrículas da EAD, enquanto a educação presencial teve um aumento de 3,1%. Apesar do crescimento, o ensino a distância ainda representa 15,8% das matrículas. Os dados são do Censo da Educação Superior de 2012, divulgados pelo Ministério da Educação (MEC). [caption id="attachment_15927" align="aligncenter" width="480"]educação-online Imagem de internet[/caption] O índice do ensino fora de sala de aula ainda é baixo, segundo o ministro da Educação, Aloizio Mercadante. "Quando olha para a OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico], quase a metade das vagas é a distância. Temos espaço para crescer". Ele ressalta que é preciso garantir a qualidade do ensino. A intenção é ampliar a oferta nas instituições federais. De acordo com o censo, a maior parte das matrículas em EAD está na rede privada (83,7%) e é oferecida por universidades (72,1%). No ensino presencial, o ministro destacou o crescimento das matrículas nos cursos tecnológicos, que aumentaram 8,5% de 2011 a 2012. Segundo Mercadante, o crescimento foi significativo, embora os cursos concentrem apenas 13,5% das matrículas. As matrículas de bacharelado cresceram 4,6% e representam 67,1% do total, enquanto nos cursos de licenciatura, o crescimento foi 0,8% - 19,5% das matrículas são em licenciatura. Quanto ao turno, em 2012, mais de 63% dos alunos dos estidantes presenciais de graduação estudavam à noite. Na rede privada, 73% das matrículas é nesse turno. Na rede federal, a maior parte das matrículas, 70% é no turno diurno. O ministro explica que o ensino noturno é importante para que parcela da população que precisa trabalhar tenha acesso ao ensino superior. "Temos aumentado a oferta de ensino noturno nas federais também, mas essas instituições mantêm também o diurno", diz. "O ensino diurno permite mais tempo ao estudo. Quem estuda no noturno em geral trabalha durante o dia. No diurno, estuda-se em um turno e trabalha-se no contraturno. Na média, o diurno tem desempenho acadêmico melhor que o noturno". Os cursos com maior número de alunos no Brasil são administração (833.042), direito (737.271) e pedagogia (602.998). Em seguida vem ciências contábeis (313.174), enfermagem (234.714), engenharia civil (198.326), serviço social (172.979), psicologia (162.280), gestão de pessoal (157.753) e engenharia de produção (129.522). O censo aponta que o ensino superior atingiu, no ano passado, 7.037.688 de matrículas na graduação, o que representa crescimento de 4,4% em relação a 2011. O número de calouros foi 2.747.089, um crescimento de novas matrículas de 17,1% em relação a 2011. O número de concluintes teve uma variação menor, 3,3%, passando de 1.016.713 em 2011 para 1.050.413 em 2012. Fonte: Agência Brasil
2 set por Henrique Goes Tags:, ,

Crescimento da economia nacional deve subir 2,32%

A projeção de analistas do mercado financeiro para o crescimento da economia subiu, este ano. De acordo com a pesquisa do Banco Central (BC) a instituições financeiras, a estimativa para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) passou de 2,20% para 2,32%. Já a projeção para 2014 caiu, de 2,40% para 2,30%. [caption id="" align="aligncenter" width="480"]finance Imagem de internet[/caption] Na última sexta-feira (30), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a economia brasileira cresceu 1,5% no segundo trimestre deste ano, em relação ao período anterior. Nos primeiros três meses do ano, o PIB cresceu 0,6% em relação ao trimestre anterior. A estimativa das instituições financeiras para a expansão da produção industrial foi mantida em 2,11%, este ano, e ajustada de 2,90% para 3%, em 2014. A projeção das instituições financeiras para a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB foi mantida em 35%, este ano, e ajustada de 34,70% para 34,85%, no próximo ano. A previsão das instituições financeiras para o saldo negativo em transações correntes (registro das transações de compra e venda de mercadorias e serviços do Brasil com o exterior) foi mantida em US$ 77 bilhões este ano e passou de US$ 78,55 bilhões para US$ 78,90 bilhões, em 2014. A expectativa para o investimento estrangeiro direto (recursos que vão para o setor produtivo do país) foi mantida em US$ 60 bilhões tanto para 2013 quanto para o próximo ano. A projeção para a cotação do dólar subiu de R$ 2,32 para R$ 2,36, ao final deste ano, e de R$ 2,38 para R$ 2,40, no fim de 2014. Fonte: Agência Brasil
30 jul por Henrique Goes Tags:, , ,

Cresce 3,1% consumo de energia elétrica em junho deste ano

O consumo de energia elétrica no país cresceu 3,1% em junho deste ano, na comparação com o mesmo período do ano passado, atingindo 37.664 gigawatts-hora (GWh). O dado foi divulgado hoje (30) pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), na Resenha Mensal do Mercado de Energia Elétrica. [caption id="attachment_13665" align="aligncenter" width="480"]consumo-energia-eletrica Imagem de internet[/caption] O maior crescimento foi observado, mais uma vez, no setor residencial, com alta de 5,2% no consumo. No segmento de comércio e serviços, o consumo cresceu 2,8%. Já a indústria gastou mais 1,1%. Esta foi a terceira alta do consumo industrial na comparação com o mesmo mês do ano anterior, mas, em relação à de maio deste ano, houve queda de 1,3% em junho. De acordo com a EPE, esse comportamento “ainda não oferece sinais de recuperação sustentada”. No consolidado do segundo trimestre, houve aumento de 3% na comparação com o mesmo período do ano anterior. No ano, houve aumento de 2,8% e no acumulado de 12 meses, 2,9%.   Fonte: Agência Brasil
29 mar por Henrique Goes Tags:, , ,

ACESSOS À INTERNET POR MEIO DE BANDA LARGA CHEGAM A 93,6 MILHÕES EM FEVEREIRO

O brasileiro ser um usuário devotado da internet e seus serviços não é novidade alguma. Mas o crescimento que os serviços promotores dessa relação virtual tem alcançado impressiona. De acordo com levantamento realizado pela Associação Brasileira de Telecomunicações (Telebrasil), os acessos à internet por meio dos serviços de banda larga - quer seja de suporte fixo ou móvel - no Brasil somaram 93,6 milhões em fevereiro. Tal índice representa uma alta de 43% se comparado ao mesmo período de 2012. [caption id="" align="aligncenter" width="497"] Imagem de internet[/caption] Por base de conexão, os acessos estão divididos entre 58,9 milhões de conexões via celulares utilizando tecnologia 3G e 13,8 milhões feitos mediante terminais de dados (como modems de acesso à internet e chips de conexão máquina a máquina). Para se ter uma noção do avanço da banda larga no Brasil, somente no primeiro bimestre de 2013 foram registrados 28 milhões de novas adesões, tomando por comparativo o total verificado durante todo ano passado. Foram os acessos móveis (celular, tablet) que alavancaram esse crescimento com um aumento de 54% em fevereiro sobre igual do ano passado, atingindo 72,7 milhões de acessos. A banda larga fixa registrou um crescimento de 13,6% no período, alcançando 20,9 milhões de conexões. COBERTURA NACIONAL Cerca de 88% da população brasileira tem acesso à tecnologia 3G, fato que certamente contribui para essa expansão. A cobertura de municípios com redes deste tipo de tecnologia chegou a 3.315 em fevereiro, o que representa a inserção de 546 novas cidades em 12 meses.   Com informações da Exame
1 mar por Henrique Goes Tags:, ,

ESPECIALISTA PREVÊ 350 MILHÕES DE PESSOAS FALANDO PORTUGUÊS, ATÉ O FINAL DO SÉCULO

De acordo com Eugénio Anacoreta Correia, presidente do Conselho de Administração do Observatório da Língua Portuguesa, até o final do século 21, teremos uma população de 350 milhões de pessoas falando a língua portuguesa, considerando os oito países lusófonos (Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste). Hoje, temos aproximadamente 250 milhões de falantes em todo o mundos, dos quais mais de 190 milhões são brasileiros. [caption id="attachment_4391" align="aligncenter" width="480"]Flag_Bandeiras_lusófonas Reprodução[/caption]

Para Anacoreta, a tendência demográfica associada à ascensão econômica de Angola, Brasil e Moçambique, além de fatores culturais (como a música) e a Copa de Mundo de 2014 e os Jogos Olímpicos Rio 2016, explicam o crescimento do interesse mundial pelo português, citando o aumento da procura por cursos de português em países não lusófonos.

Ao ser questionado sobre o adiamento no Brasil da obrigatoriedade da nova ortografia para 2016 (decidido pela presidenta Dilma Rousseff em dezembro passado) em nada afeta a expansão do idioma, na avaliação de Correia. “Eu não dou tragédia nenhuma a isso”, disse, se expressando de modo peculiar aos portugueses. “Não é drama nenhum. O acordo não pode ser imposto, tem que ser absorvido pela sociedade e isso precisa de tempo”, defendeu em entrevista à Agência Brasil. Na avaliação dele, “o que o Brasil fez foi um adiamento do prazo para terminar o processo, mas não interrompeu o processo”, destacou. Para Correia, o governo brasileiro postergou a obrigatoriedade “por razões técnicas”, tais como a necessidade de preparação de livros didáticos e professores. “O Brasil é um continente. As dificuldades regionais, as assimetrias, a preparação de pessoas, a preparação de manuais em um país que tem a dimensão e a variedade do Brasil são muito grandes. Entendo perfeitamente que por razões técnicas possa ter havido necessidade desse adiamento”. O adiamento da entrada em vigor do acordo ortográfico no Brasil alimentou os críticos portugueses às regras de unificação da escrita do idioma. É comum em Portugal escritores e colunistas publicarem textos em jornais e revistas com a observação de que não seguem as regras do acordo. “Utilizar isso como argumento antiacordo não é bom para ninguém”, assinalou Eugénio Anacoreta Correia. “O português hoje não é de Portugal, mas 'também' é de Portugal. Nós temos que acrescentar o 'também'. A grande riqueza que temos na Comunidade de Países da Língua Portuguesa [CPLP] é exatamente a partilha de uma coisa comum. Para que a língua seja de todos, todos temos que ceder", finalizou.   Com informações da Agência Brasil
3 fev por Henrique Goes Tags:, , , ,

REGIÕES NORTE E NORDESTE SÃO AS QUE MAIS CRESCERAM EM NÚMERO DE TRANSPLANTES EM 2012

Levantamento feito Ministério da Saúde (MS) aponta que as regiões Norte e Nordeste do país foram as que apresentaram o  maior crescimento no número de transplantes , com índices de 47% (4.706 intervenções) e 20 % (613), respectivamente. De acordo com o órgão ministerial, o motivo de tal incremento foi a expansão do índice de cirurgias realizadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em 2012. Dentre os estados, se destacam Bahia (59%), Pará (56%), Pernambuco (55%), Maranhão (44%) e Amazonas (35%). Os números são em comparação ao ano de 2011. No total foram realizados 23.999 transplantes no Brasil em 2012, um recorde registrado nesta década. [caption id="attachment_2776" align="aligncenter" width="480"]cirurgia-plástica-gratuita1 Imagem de internet[/caption] De acordo com o Ministério da Saúde, desde 2011 houve uma ampliação no  investimentos para a  prática de transplantes em todas as regiões do país. No ano passado, o titular da pasta Alexandre Padilha assinou portaria que institui a atividade de tutoria em doação de órgãos e transplantes sob objetivo é investir na capacitação profissional e estimular centros de excelência para fortalecer a rede brasileira de transplantes. Para se tornar um centro de excelência, é necessário atender a alguns requisitos como fazer parte da rede pública ou ser entidade sem fins lucrativos que atenda de forma complementar ao SUS. Também é necessário ter experiência de dois anos ou mais na área, realizar no mínimo três tipos de transplantes ou, ainda, o transplante de medula óssea alogênico não aparentado, promover estudos e pesquisas na área. O órgão federal da saúde criou novos incentivos financeiros para hospitais que realizam cirurgias na rede pública visando a estimular a realização de mais transplantes no SUS. A partir das novas regras, hospitais que fazem quatro ou mais tipos de transplantes passaram a receber incentivo de até 60% a mais do que o previsto inicialmente no orçamento. O recurso será de 50% do total do orçamento para os hospitais que fazem três tipos de transplantes, e naqueles onde são feitos um ou dois tipos de transplantes serão pagos  30% e 40% a mais, respectivamente, de incentivos sobre o valor orçamentário inicial. O investimento destinado para essa medida foi de R$ 217 milhões. Com a dinamização da infraestrutura, notadamente na capacitação de equipes para o contato com as famílias dos possíveis doadores,a população brasileira tem demonstrado que a estratégia é eficiente. O planejamento abrange o incentivo financeiro aos hospitais e a sensibilização da população por meio de campanhas anuais de incentivo à doação de órgãos e tecidos. Outra medida adotada no ano passado foi a parceria com o Facebook, onde o usuário pode se declarar doador de órgãos. Ao todo, 121 mil pessoas já se declararam como doadoras.   Com informações da Agência Brasil
× Fale no ZAP