Tag: Helicóptero

11 fev por João Ricardo Correia Tags:, , ,

Corpo de Boechat será velado no Museu da Imagem e do Som em São Paulo

O corpo do jornalista Ricardo Boechat será velado a partir das 22h de hoje (11) no Museu da Imagem e do Som (MIS), no bairro Jardim Europa, na capital paulista. O local estará aberto ao público. O jornalista do Grupo Bandeirantes morreu na queda de um helicóptero na Rodovia Anhanguera, quando retornava de uma palestra em Campinas. O velório segue até as 14h desta terça-feira (12). A Band não divulgou o local do sepultamento, que será em cerimônia reservada para a família.

O acidente ocorreu no início da tarde de hoje (11). O piloto da aeronave, Ronaldo Quatrucci, também morreu.

A pedido do presidente Jair Bolsonaro, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, irá representá-lo no velório do jornalista. Bolsonaro disse que ele e Boechat eram amigos “há mais de 30 anos” e que ele apelidou o jornalista de “Jacaré”.

Boechat tinha 66 anos, era apresentador do Jornal da Band e da rádio BandNews FM e tinha uma coluna semanal na revista ISTOÉ. O jornalista nasceu em Buenos Aires, na Argentina, quando o pai Dalton Boechat, diplomata, estava a serviço do Ministério das Relações Exteriores. Dono de um humor ácido, usava essa característica para noticiar fatos e criticar situações. O tom era frequente nos comentários de rádio, televisão e também na imprensa escrita.

Políticos, magistrados e organizações vieram a público para lamentar a morte do jornalista.

Boechat deixa mulher, cinco filhas e um filho.

Por Camila Maciel – Repórter da Agência Brasil / São Paulo

14 jan por João Ricardo Correia Tags:, , ,

Helicóptero patrulhava Linha Vermelha quando sofreu acidente

A Polícia Militar do Rio de Janeiro informou, por meio de nota, que o helicóptero que se acidentou na manhã de hoje (14) na Baía de Guanabara reforçava o patrulhamento da Linha Vermelha, principal via de ligação entre a Baixada Fluminense e o centro da capital. A aeronave Fênix 08 do Grupamento Aeromóvel (GAM) tinha quatro policiais militares a bordo.

De acordo com a PM, durante o sobrevoo à Linha Vermelha, houve necessidade de fazer um pouso forçado na água, nas proximidades das ilhas do Governador e do Fundão.

Segundo o Corpo de Bombeiros, um tripulante foi atendido por populares e não há informação sobre seu estado de saúde. Dos três que receberam atendimento de sua equipe de resgate, um teve que passar por procedimento de reanimação e foi encaminhado para um hospital. Os outros dois estão fora de risco.

A Polícia Militar informou que os tripulantes foram encaminhados para o Hospital Central da PM. A aeronave, de acordo com a corporação, estava com manutenção regularizada. O acidente será investigado pela Aeronáutica e pelo Centro de Criminalística da PM.

Por Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil / Rio de Janeiro

22 dez por João Ricardo Correia Tags:, , ,

Brasil será 1º país da América do Sul a reabastecer helicóptero em voo

A Força Aérea Brasileira (FAB) conclui hoje (21) a primeira fase da campanha de ensaio para certificação do sistema de reabastecimento em voo do helicóptero HJ-Caracal com o avião tanque KC-130H. A operação tornará o país o primeiro da América do Sul capacitado para ações do tipo, diurnas e noturnas. A operação de hoje ocorre na Ala 11 do Aeroporto Internacional Galeão-Tom Jobim, (Galeão), na zona norte do estado. “Desta forma, serão conduzidas avaliações específicas de ambas as aeronaves para determinar um envelope seguro contendo velocidade, altitude e configurações específicas”, diz a FAB, em nota. Nos ensaios de voo dessa primeira fase de certificação, não há transferência de combustível o avião tanque para o helicóptero, sendo realizados apenas "contatos secos". Provas com as "conexões molhadas" só vão ocorrerna segunda fase do programa, no próximo ano. “Os ensaios em voo com conexão a seco tem o objetivo de avaliar a capacidade de reabastecimento em voo por meio das avaliações do grau de turbulência, verificação de possível interferência na leitura do sistema anemométrico devido à perturbação do ar e verificação do funcionamento do sistema mecânico em voo”, diz a nota. Coordenação As provas são coordenadas pelo Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), que participa com duas de suas unidades: o Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), organização militar que atua na certificação de sistemas de gestão da qualidade, e o Instituto de Pesquisas e Ensaios em Voo (IPEV), que desde 2014 vem atuando nas previsões teóricas e preparo da campanha. Como parte dos preparativos para certificação, aproximadamente 10 militares que fazem parte da operação fizeram intercâmbio na United States Air Force (USAF). “Foi uma oportunidade de verificar quais os procedimentos são aplicáveis para nossa aeronave e elevar o nível de segurança dos ensaios”, disseo Tenente Luís Gustavo Leandro de Paula, engenheiro de ensaio em voo do instituto. Segundo a FAB, a transferência de combustível em voo possibilita ao H-36 alcançar os extremos dos 22 milhões de km2 do território brasileiro, “para cumprir as missões de resgate no mar, ajudas humanitárias, infiltrações de tropas e transporte de militares em locais estratégicos”. Segunda Fase A FAB informou que após o término da primeira etapa, será realizada a segunda fase da operação, na qual serão feitas as verificações finais de certificação. Em cumprimento ao contrato do projeto H-XBR, uma equipagem de ensaios da empresa Airbus Helicopters virá ao Brasil para apoiar na conclusão do processo de certificação, por meio de ensaio em voo com conexão molhada (transferência de combustível) e para realizar treinamento dos pilotos da FAB, que futuramente irão operar o H-36 Caracal. Por Nielmar de Oliveira – Repórter da Agência Brasil / Rio de Janeiro Foto: Força Aérea Brasileira
20 nov por João Ricardo Correia Tags:, , , , , ,

Polícias do RJ de prontidão e domingo promete ser um dia tenso na “Cidade de Deus”

[caption id="attachment_51774" align="aligncenter" width="611"]bope_apreensao_rj1 Parte do material apreendido pelo Bope, durante operação deste sábado, no Rio de Janeiro[/caption]   João Ricardo Correia O clima é de tensão no Rio de Janeiro e este domingo, 20, promete ser um dia de medo e apreensão na comunidade de Cidade de Deus e adjacências, na zona Oeste da capital fluminense. A situação ficou mais grave depois da queda de um helicóptero do Grupamento Aeromóvel (GAM), que apoiava uma operação contra traficantes, resultando na morte dos quatro policiais militares que estavam na aeronave. Todas as unidades policiais estão de prontidão. Áudios circularam neste sábado à noite, por algumas redes sociais, dando conta do terror que toma conta da "Cidade Maravilhosa". Fontes do Companhia da Notícia garantem que as gravações são autênticas. Confira as gravações: [audio mp3="https://www.companhiadanoticia.com.br/wp-content/uploads/2016/11/AUDIO_RJ01.mp3"][/audio] [audio mp3="https://www.companhiadanoticia.com.br/wp-content/uploads/2016/11/AUDIO_RJ02.mp3"][/audio] [audio mp3="https://www.companhiadanoticia.com.br/wp-content/uploads/2016/11/AUDIO_RJ03.mp3"][/audio] [audio mp3="https://www.companhiadanoticia.com.br/wp-content/uploads/2016/11/AUDIO_RJ04.mp3"][/audio] Durante a operação, na tarde de ontem, houve confrontos na região, o que ficou ainda mais intenso após a queda do helicóptero. Ainda não foi confirmada o que provocou a queda, se uma pane mecânica, falha humana ou tiros disparados pelos traficantes revoltados com a presença dos policiais. A Linha Amarela e a Avenida Ayrton Senna chegaram a ser fechadas, provocando engarrafamentos. Os PMs mortos são o major Rogério Costa (piloto), capitão Schort, subtenente Barbosa e sargento Félix. A Secretaria de Segurança informou que as causas da queda do helicóptero serão investigadas pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa). Segundo "O Dia Online", os confrontos entre policiais e traficantes começaram por volta de 9h30, quando PMs em patrulhamento na região encontraram bandidos armados, dando início a uma perseguição seguida de troca de tiros. Alguns homens foram detidos e levados para a delegacia.
24 out por João Ricardo Correia Tags:, , , , , ,

Droga no helicóptero: Aécio queria explicações sobre mensagem de comunista

AECIONEVES_PORTALDENOTICIAS O ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), julgou inadmissível interpelação judicial por meio da qual o senador Aécio Neves (PSDB-MG) pedia explicações à deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) acerca de postagem feita por ela no Twitter em maio deste ano. Ao negar seguimento à Ação Cautelar (AC) 3883, o decano do STF explicou que a interpelação judicial apresenta caráter instrumental, destinada ao esclarecimento de situações revestidas de dubiedade, equivocidade ou ambiguidade, conforme prevê o artigo 144 do Código Penal, “em ordem a viabilizar, tais sejam os esclarecimentos eventualmente prestados, a instauração de processo penal de conhecimento tendente à obtenção de um provimento condenatório”. No caso em análise, o relator verificou que não é cabível o pedido de explicações de Aécio Neves por ausência de seus requisitos, uma vez que a “leitura das afirmações atribuídas à interpelanda [deputada] não permite qualquer dúvida em torno do real destinatário da manifestação alegadamente ofensiva”, o que afasta a possibilidade de interpelação judicial segundo inúmeros precedentes do STF. O ministro também destacou a inviabilidade do pedido em razão da imunidade parlamentar material, já que se trata de manifestação de membro do Congresso Nacional proferida em meios de comunicação social (Twitter). Segundo ele, a garantia prevista no artigo 53, caput, da Constituição Federal, não sofre limitações em decorrência do espaço em que o comentário foi proferido. “É irrelevante, por isso mesmo, para efeito de legítima invocação da imunidade parlamentar material, que o ato por ela amparado tenha ocorrido, ou não, na sede, ou em instalações, ou perante órgãos do Congresso Nacional”, afirmou. Para o ministro, a cláusula constitucional revela a preocupação do constituinte em garantir efetiva proteção ao parlamentar, permitindo-lhe, no desempenho de suas funções, “o amplo exercício da liberdade de expressão, qualquer que seja o âmbito espacial em que concretamente se manifeste, ainda que fora do recinto da própria Casa Legislativa, desde que as declarações emanadas do membro do Poder Legislativo – quando pronunciadas fora do Parlamento – guardem conexão com o desempenho do mandato”. O ministro Celso de Mello destacou, ainda, que a garantia constitucional da imunidade parlamentar protege as entrevistas jornalísticas; a transmissão, para a imprensa, do conteúdo de pronunciamentos ou de relatórios produzidos nas Casas Legislativas; bem assim as declarações veiculadas por intermédio dos "mass media" (meios de comunicação de massa) ou dos “social media” (mídias sociais). Isto porque o Supremo tem reafirmado a importância do debate, pela mídia, das questões políticas protagonizadas pelos detentores de mandato. “Vê-se, portanto, que se revela incabível, na espécie, também por esse outro fundamento, a interpelação judicial contra a ora interpelanda [Jandira Feghali], eis que a declaração por ela feita no meio de comunicação social em questão (Twitter) acha-se amparada pela cláusula constitucional da imunidade parlamentar em sentido material”, concluiu o relator. O ministro Celso de Mello enfatizou, nessa decisão, que não se admitirá a interpelação judicial fundada no artigo 144 do Código Penal nas hipóteses em que incidir, em favor de qualquer congressista, a cláusula constitucional da imunidade parlamentar material. Caso O senador Aécio Neves pretendia obter explicações da deputada federal Jandira Feghali acerca de comentário postado por ela em sua conta no Twitter. A declaração, de 19 de maio deste ano, dizia: “Aécio, o Brasil precisa saber de um helicóptero repleto de drogas” e fazia referência a helicóptero carregado de drogas apreendido em Minas Gerais há cerca de dois anos. Segundo o pedido, a frase comporta interpretações diversas, podendo, conforme a convicção de cada pessoa, especialmente da própria deputada, significar a prática de crimes contra a honra do senador.   Fonte: Portal do STF Foto: Portal de Notícias
× Fale no ZAP